Eetu Eskelinen

Web developer and designer at Camera Rescue. Likes way too many types of cameras.

September 22, 2017.

Como se caracteriza o futuro da fotografia analógica? – Portugal

Há cerca de cinco meses atrás a equipa da Cameraventures lançou o projecto #saveanalogcameras, com o objectivo de perceber se a fotografia analógica ainda se encontra viva entre os fotógrafos e consequentemente entender o seu futuro.

Durante o processo de recolha de dados foram entrevistados cerca de 170 fotógrafos portugueses que ainda hoje fotografam com película fotográfica.

O movimento analógico em Portugal tem vindo a crescer nos últimos anos, pode-se dizer que “sobreviveu” até aqui através de coleccionadores de gerações anteriores, que utilizaram na sua infância câmeras analógicas e assistiram à transição da fotografia para o digital.

Nos dias que correm, quer seja por uma questão de moda ou não, o movimento analógico em Portugal está bem vivo, e tendencialmente a crescer, através dos resultados recolhidos nos questionários percebeu-se que mais de 70% dos utilizadores de película conhecem entre 1 a 12 pessoas que recentemente se juntaram ao movimento da fotografia analógica, o que pode ser ainda mais optimista é que o resto da percentagem das pessoas que participaram neste estudo afirmam que conhecem entre 12 a 50 pessoas que ainda se encontram na posição de recém-chegados relativamente ao movimento.

Juntamente com o crescimento dos utilizadores nota-se também um crescimento de prestadores de serviços, que ainda assim por vezes não conseguem lidar com o volume de clientes que atendem ao seu serviço, o que leva a crer que ainda há espaço para novos negócios de qualidade em torno deste movimento.

Recentemente em conversa com o gerente de uma loja de revelação, digitalização, impressão e venda de filmes o próprio confessou que o volume de clientela que têm hoje em dia ultrapassa largamente o esperado e que consequentemente tiveram inclusive de alargar os prazos de entregas dos serviços de revelação e digitalização, uma vez que as máquinas que possuem não conseguem dar vazão à quantidade de serviço.

O aumento de volume de clientela tem aumentado exponencialmente neste tipo de loja local, isto deve-se a 2 factores principais, são eles: o afastamento dos clientes das lojas típicas de “franchising”, grandes lojas em que o contacto com o cliente não é tão pessoal e que na grande maioria dos casos não possuem maquinaria própria o que significa o envio para outra empresa a fim de realizarem a revelação dos filmes, o que resulta em prazos mais longos e preços maiores; e ainda; o serviço de qualidade prestado por estas lojas locais, muitas das vezes geridas por antigos fotógrafos, coleccionadores natos com vasto conhecimento de câmaras e filmes, o que transmite uma maior confiança na altura da escolha.

Ao recolher estes dados consegue-se então perceber o futuro panorama deste movimento no território português, movimento este que apesar da quebra que parece ter sofrido há alguns anos atrás está hoje em dia a crescer cada vez mais, não só em termos de utilizadores mas também em termos de mercado, que se está a aperceber da importância da existência de serviços de qualidade, e da possibilidade que os serviços têm de crescer.

By: Sam Sanchez


If you’d like to support Camera Rescue, consider following us on Facebook, Twitter, Instagram or YouTube.

Newsletter



By submitting this form, you agree to receive emails from the selected companies.